FATORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA O CRESCIMENTO DA PRODUTIVIDADE DO MILHO NO BRASIL

Cleberti José Silva Custodio, Jennifer Oberger Ferreira, Janne Louize Sousa Santos, Hugo Alberto Murillo Camacho, Jeyson Lazaro Duque Albino, Lindomar Campos Rodrigues

Resumo


O milho faz parte da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro. Está presente em todas as regiões do país, sendo produzido em larga escala, fazendo com que se torne um dos principais grãos, comercializado tanto no mercado interno quando externo. Diante do exposto, o presente trabalho tem como objetivo apresentar os principais fatores envolvidos no aumento da produtividade do milho no Brasil. A produção de milho nas diferentes regiões do Brasil está aumentando, paralelamente ao aumento da demanda pelo grão. As diferentes tecnologias envolvidas no sistema de produção, como a inserção do gene da bactéria Bacillus Thuringiensis, possibilitou o aumento da produtividade do milho. Além disso, algumas estratégias de manejo estão sendo utilizadas para se obter um produto de alta qualidade e produção, principalmente na parte de correção do solo.


Texto completo:

PDF

Referências


ABIMILHO – Associação Brasileira das Indústrias do Milho. Estatísticas. Disponível em . Acesso em: 10 de jun. 2016.

ALVES, H, C, R.; AMARAL, R, F, D.; Produção, Área Colhida e Produtividade do Milho no Nordeste. INFORME RURAL ETENE. 2011.

BRASIL. Presidência da republica. Casa civil subchefia para assuntos jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm acesso em: 13 de junho de 2016.

CAPALBO, D. M. F. et al. Bacillus thurigiensis: formulações e plantas transgênicas. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, Brasília, v. 34, p. 78-85, jan./jun. 2005.

CARNEIRO, Andréa. et al. Milho Bt: Teoria E Prática Da Produção De Plantas

Transgênicas Resistentes A Insetos-Praga. Circular Técnica, Sete Lagoas, MG

Dezembro, 2009. ISSN 0100-9915.

Conselho de Informações sobre Biotecnologia – CIB. (2012). O que você precisa saber sobre transgênicos. Recuperado em 17 de janeiro de 2014, de http://cib.org.br/wp-content/uploads/2012/08/ Guia_Transgenicos_2012.pdf.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. CIRCULAR TECNICA. Sete lagoas-MS. Aspectos Econômicos da Produção e Utilização do Milho. 1ª ed. N.74. 2006. ISSN 1679-1150.

CONAB a (Companhia Nacional de Abastecimento) – Acompanhamento da Safra Brasileira: Grãos, Safra 2010/2011, Décimo Segundo Levantamento, Setembro 2011. Disponível em . Acesso em: 10 jun. 2016.

CONAB b - Companhia Nacional de Abastecimento – Acompanhamento da Safra Brasileira: Grãos, Safra 2011/2012, Décimo Segundo Levantamento, Setembro 2012. Disponível em: http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/12_09_06_09_18_33_boletim_graos_-_ setembro_2012.pdf. Acesso em: 06 abri. 2016.

CRUZ, J. C.; PEREIRA FILHO, I. A.; SILVA, G. H. Milho – Cultivares para 2010/2011. 2011. Disponível em: http://www.cnpms.embrapa.br/milho/cultivares/index. php. Acesso em: 08 abril. 2016.

DUARTE, J. De O.; GARCIA, J. C.; MIRANDA, R. A.. Cultivo do Milho: economia da produção. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 2011. Disponível em: http://www.cnpms.embrapa.br/publicacoes/milho/importancia.htm Acesso em: 08 abril. 2016.

FRANCELLI, A. Palestra. Estratégias De Manejo Para Alta Produtividade De Milho No Brasil. Piracicaba-SP, Março de 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006. Disponível em: http//www.ibge.gov.br. Acesso em: 08 de abril de 2016.

JUNIOR, R. CONSTANTIN, J. Palestra. Manejo De Plantas Invasoras Na Cultura Do Milho. Piracicaba-SP, Março de 2016.

LANDAU, E. C.; GARAGORRY, L. F.; FILHO, H. C.; GARCIA, J. C.; DUARTE, CRUZ, J. C. Áreas de Concentração da Produção Nacional de Milho no Brasil. XXVIII Congresso Nacional de Milho e Sorgo. 2010, Goiânia: Associação Brasileira de Milho e Sorgo.

LERAYER, A. VILLARI, A. C. MARQUES, D, Conselho de Informações sobre Biotecnologia . São Paulo-SP. (Guia do Milho Tecnologia Do Campo À Mesa). 2006.

LONDRES, F. Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2011.

MAIA, A. DE H. N. Definindo estratégias de manejo da resistência de pragas a toxinas Bt expressas em culturas transgênicas: o papel dos modelos de simulação. Embrapa meio ambiente, Jaguariúna, 2005.

MARTINELLI, S. OMOTO, C. Resistência De Insetos A Plantas Geneticamente Modificadas. São Paulo-SP. (Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento). N. 34. Janeiro-junho. P. 67-75. 2005.

MENDES, S. M. WAQUIL, J. M. Uso do milho Bt no manejo integrado de lepidópteros-praga: recomendações de uso. Comunicado técnico, 170. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo. 2009.

MICHELOTTO, Marcos; et al. Controle De Pragas Em Híbridos De Milho Geneticamente Modificados. Pesquisa & Tecnologia, vol. 8, n. 2, Jul-Dez 2011. ISSN 2316-5146.

MUDSTOCK, Claudio; SILVA, Paulo. Manejo Da Cultura Do Milho Para Altos Rendimentos De Grãos. 1. ed., Porto Alegre-RS. 2005. 51p.

OLIVEIRA, Andréia; et al. A Biotecnologia Aplicada Ao Melhoramento Genético Vegetal: Controvérsias E Discussões. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 10, n. 1, p. 339-361, 2012.

PIONEER. Milho Pioneer com gene YeldGard. Pioneer Responde, Santa Cruz do Sul, v. 5, p. 3-15, ago. 2008. Disponível em:

RICARDO, D. Princípios de Economia Política e Tributação. Traduzido por Paulo Henrique Ribeiro Sandroni. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

SOUZA, P. M.; BRAGA, M. J. Aspectos Econômicos da Produção e Comercialização do Milho no Brasil; In: GALVÃO, J. C.C.; MIRANDA, G.V, Tecnologias de Produção do Milho– Editora: UFV-Universidade Federal de Viçosa, 2004.13p.

SUJII, E. R. et al. Impacto do algodoeiro Bt na dinâmica populacional do pulgão-do-algodoeiro em casa de vegetação. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 43, n. 10, p. 1251-1256, out. 2008.

YAGUSHI, T, J. Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária. DERAL - Departamento de Economia Rural, Paraná, out. 2012.

YAMADA, T. ABDALLA, S. Estratégias De Manejo Para Alta Produtividade Do Milho. Informações agronômicas. Disponível em:


Apontamentos

  • Não há apontamentos.