ANÁLISE DE RESULTADOS DE UROCULTURA E ANTIBIOGRAMA EM AMOSTRAS SUSPEITAS DE INFECÇÃO URINÁRIA EM BARRA DO GARÇAS - MT

Silvânia Tereza Machado, Gisele Thaís Perez, Anna Lettycia Vieira Santos

Resumo


As infecções do trato urinário são demandas frequentemente na clínica médica, ocorrendo em todas as idades, as quais acometem principalmente o sexo feminino. O objetivo deste estudo foi identificar os microrganismos prevalentes, assim como a resistência aos principais antimicrobianos utilizados em pacientes atendidos em um laboratório particular de Barra do Garças, MT. Foram analisadas 185 amostras, sendo que a idade variou de 06 meses a 87 anos, com média de 43 anos ± 21,77 DP. O agente etiológico mais frequente foi a Escherichia coli. Entre os antimicrobianos mais resistentes estão a Ampicilina, Ácido Nalídixico, Sulfazotrim, Tetraciclina e Cefazolina e Ciprofloxacino.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEC. Elaborando Trabalhos Científicos-Normas para apresentação e elaboração / UNIVAR - Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças (MT): ABEC, 2015. 140 p.

AMORIM, A. E., Exame de Urina tipo 1: frequência Percentual de Amostras que sugerem Infecção Urinária. Anuário da produção de iniciação científica discente, São Paulo, v. 11, n. 12, 2008.

BRAOIOS, A. et al. Infecções do Trato Urinário em Pacientes não Hospitalizados: etiologia e padrão de resistência aos antimicrobianos. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, Rio de Janeiro, v. 45, n. 6, 2009.

CAMPOS, T.; MENDES, P.; MAIO, J. Infecção urinária na criança. Acta Urológica, vol. 23, n. 4, p. 19-23, 2006.

CARVALHAES, A. T. J. Infecção urinária na infância. Pneumo Atual Pediátria Ginecológica Oncológica, v. 11, n. 9, 2007.

COSTA, L. et al. Infecções Urinárias em pacientes ambulatoriais: prevalência e perfil de resistência aos antimicrobianos, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde de Universidade Estadual da Paraíba, v. 42, out.2010.

DACHI, S. P. et al. Fatores de risco para Infecção Urinária em Mulheres: um estudo de caso- controle. Arquivos Catarinenses de Medicina, Santa Catarina, v. 32, 2003.

DIAS, V. O. L.; COELHO, M. A.; DORIGON, L. I. Infecção do trato urinário em pacientes ambulatoriais: prevalência e perfil de sensibilidade frente aos antimicrobianos no período de 2009 a 2012. Saúde, v. 41, n. 1, p. 219-228, 2015.

GRILLO, S. R. T. V. et al. Incidência bacteriana e perfil de resistência à antimicrobianos em pacientes pediátricos de um hospital público de Rondônia, Brasil. Rev Ciênc Farm Básica Apl, v. 34, n. 1, p. 117-123, 2013.

HEAD, K. A. Natural approaches to prevention and treatment of infections of the lower urinary tract. Altern Med Rev., v. 13, p. 227-244, 2008.

KOCH, C. R. et al. Resistência antimicrobiana dos uropatógenos em pacientes ambulatoriais, 2000-2004. Rev Soc Bras Med Trop, v. 41, n. 3, p. 277-81, 2008.

KOCH, V. H.; ZUCCOLOTTO, S.M.C. Infecção do trato urinário. Em busca de evidências. S102 Jornal de Pediatria, v. 79, Supl.1, 2003.

LEMES, R. L.; BERTOLDI, A. R.; Perfil de suscetibilidade ao fluconazol de leveduras isoladas de urina de pacientes internados em um hospital universitário do sul de Minas Gerais, Brasil. RBAC, v. 44, n. 2, p. 93-96, 2012

LICHTENFELS, E.; et al. Profilaxia antimicrobiana em cirurgia vascular periférica: Cefalosporina ainda é o padrão-ouro? J vasc Bras, v. 6, n. 4, p. 378-386, 2007.

LOPES, H. V.; TAVARES, W. Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM); Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Urologia. Infecções do Trato Urinário: Diagnóstico, 2004.

LOPES, H. V: TAVARES, W. Diagnóstico das infecções do trato urinário. Assoc. Med. Bras., v. 51 n. 6, nov/dez. 2005.

MASSON, P. et al. Metaanalyses in Prevention and Treatment of Urinary Tract Infections. Infect Dis Clin North Am., v. 23, p. 355-85, 2009.

MOURA, B, L; FERNANDES, G.M. A Incidência de Infecções urinárias Causadas por E. coli. Revista Olhar Científico, v.1, n. 2, 2010.

MULLER, E. V.; SANTOS, E. F.; CORREA, N. A. B. Prevalência de Microrganismos em infecções do trato urinário de pacientes atendidos no laboratório de análises clinicas da Universidade Paranaense Umuarama PR. RBAC, v. 40, n. 1, p. 35-37, 2008.

PINHEIRO, P. Exame Urocultura / Indicações e como Colher. MDS Saúde. Janeiro, 2015. Disponível em: . Acesso em Junho de 2015.

RAHN, D. D. Urinary tract infections: contemporary management. Urol Nurs, v. 28, n. 5, p. 333-41, 2008.

POLETTO, R. Suscetibilidade antimicrobiana de uropatógenos em pacientes ambulatoriais na cidade de Goiânia, GO. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 38, n. 5, p. 416-420, 2005.

RODRIGUES, G. A. M. et al. Perfil Epidemiológico das Infecções Urinárias Diagnósticos em Pacientes Atendidos no Laboratório Escola de Universidade Potiguar, Natal RN. Newlab-edição 119 p. 108-119, 2013.

RORIZ-FILHO, J. S. Infecção do trato urinário. Medicina (Ribeirão Preto), v. 43, n. 2, p. 118-25, 2010. Disponível em: . Acesso em Junho de 2015.

SANTOS, P. K.T. et al. Identificação e perfil antimicrobiano de bactérias isoladas de urina de gestantes atendidas na Irmandade de Santa Casa de Misericórdia de Prudentópolis, Paraná. Semina, v. 33, n. 2, p. 181-192, 2012.

SANTOS, R. S. R. S.; AMADO, B. A. C.; ASSEF, C. M. S. Infecções urinárias. Arq, Ciênc. Saúde Unipar. v. 3, n. 1, p. 43-50: Jan./abr. 1999.

SPINDOLA, S. et al. Ocorrência de Escherichia coli. Em culturas de urina no setor de Microbiologia do PAM Antônio Ribeiro Netto. Ambulatório do PAM Antônio Ribeiro Netto, 2006. Disponível em: . Acesso em Junho de 2015.

WAGENLEHNER, F.M. E; NABER, K. G. Treatment of Bacterial Urinary Tract Infections: Presence and Future. Review - Infections. Eur Urol., v. 49, p. 235-44,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.