PREVALÊNCIA DO USO DE METILFENIDATO POR UNIVERSITARIOS DAS FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA (UNIVAR)

Onorio Pedro de Carvalho Filho, Anna Lettycia Vieira dos Santos

Resumo


O metilfenidato é usado no tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção e hiperatividade (TDAH). A partir de 2009, varias revistas mostraram reportagens sobre o uso inadequado desse medicamento por estudantes. Esse trabalho tem como objetivo identificar a prevalência do uso do medicamento por universitários, formas de aquisição, principais motivos de utilização e efeitos colaterais relatados. O estudo relatou uma prevalência de 23,1% do uso do medicamento entre os universitários do curso de farmácia das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Conclui-se que o índice de usuários é considerado alto, já que seu uso é constante e não para os devidos fins terapêuticos da doença. Sugere-se que o farmacêutico, professores, médicos especialistas e proprietários de drogarias que façam um programa de conscientização a todos os universitários em relação ao uso inadequado ou indiscriminado do metilfenidato.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEC. Elaborando trabalhos científicos. Normas para apresentação e elaboração/UNIVAR - Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. 3ª ed. Barra do Garças: ABEC, 2015. 140 pgs.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Metilfenidato. 2010. Disponível em: . Acesso em março de 2015.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria 344. 2013. Disponível em: . Acesso em abril de 2015.

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resultados de 2009. Brasília, 2010. p.1-51. Disponível em:. Acessado em abril de 2015.

CAETANO, N. Guia de Remédios. 10 ed. São Paulo: Editora Escala, 2011. p.599.

CARLINI, E. A. et al. Metilfenidato: Influência na notificação de receita A (cor amarela) sobre a prática de prescrição por médicos brasileiros. Rev. Psiq clin., v. 30, n. 1, p. 11-20, 2003.

CARNEIRO, S. M. et al. O uso não prescrito de metilfenidato entre acadêmicos de Medicina. Cadernos UniFOA, Edição Especial Ciências da Saúde e Biológicas, maio de 2013.

CRUZ, T. C. S. C. et al. Uso não-prescrito de metilfenidato entre estudantes de medicina da Universidade Federal da Bahia. Gazeta Médica da Bahia, v. 81, n. 1, p. 3-6, 2011.

GREELY, H. et al. Towards responsable use of cognitive-enhancing drugs by the healthy. Nature, v. 456, n. 7223, p. 702-705, 2008.

GOODMAN & GILMAN. As bases farmacológicas da terapêutica. 12ª ed. Rio de Janeiro: McGraw-hill, 2005.

LAJE, D. C. et al. Uso de metilfenidato pela população acadêmica: revisão de literatura. Braz. J. Surg.Clin. Res. v. 10, n. 3, p. 31-39, 2015.

PESSANHA, F. F; MOTA, J. S. Prevalência do uso de metilfenidato por universitários de Campo dos Goytacazes, RJ. Vértices, v. 16, n. 1, p. 77-86, 2014.

PASTURA, G.; MATTOS, P. Efeitos colaterais do metilfenidato. Revisão de Literatura. Revista de psiquiatria clínica, v. 3, p. 100-104, 2004.

SANTOS, L. F; VASCONCELOS L. A. Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade em crianças: uma revisão interdisciplinar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 26, n. 4, p.717-724, 2010.

SNGPC. Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados. Prescrição e consumo de Metilfenidato no Brasil: Identificando riscos para o monitoramento e controle sanitário. Bol. Farmacoepidemiologia (SNGPC), v. 2, n. 2, jul-dez, 2012.

U.S. Department of Justice Drug Enforcement Administration Office of Diversion Control. Aggregate production quota history. 2010 [cited 2010 april 23]. Disponivel em:

>. Acesso em abril de 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.