A QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR NAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS

Shirley Pereira, Roberta Lamounier de Melo, Kelly Tavares de Freitas, Luciana Mendonça Duarte, Telmo de Maia Pimentel

Resumo


O ensino superior privado no Brasil tem mais de um século e hoje responde por 75% das matrículas nesse nível de ensino, tendo em vista que a iniciativa privada tem condições de responder de forma mais rápida ao atendimento da demanda pela educação superior no país do que o setor público. O tema do presente estudo é a qualidade do ensino superior nas instituições privadas. Nesse sentido tem-se por objetivo discorrer sobre a evolução da educação superior no Brasil desde as Instituições de Ensino Superior (IES) mantidas pela União e as criadas e mantidas pela iniciativa privada. Pretende-se tratar também da prática docente no Brasil, em especial às competências do professor universitário, comentando sobre a relação teórico-prática existente visto que o saber do professor proporciona um ponto de partida para a reflexão crítica e, deste modo, não pode dar-se por pronto ou sistematizado na teoria, nem tomar-se definitivo na prática. O presente estudo se traduza por uma pesquisa bibliográfica, de caráter qualitativo, realizada através de livros, artigos, periódicos e sites especializados. Pode-se concluir que a prática docente do professor universitário requer, além de um conhecimento especializado, a atualização constante de sua formação, na busca contínua de habilitação para o exercício de suas atividades.


Texto completo:

PDF

Referências


BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. Campinas: Papirus, 2005.

BEHRENS, Marilda Aparecida. Paradigma da complexidade: metodologia de projetos, contratos didáticos e portfólios. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

BOLZAN, Dóris. Formação de professores: compartilhando e reconstruindo conhecimento.Porto Alegre: Mediação, 2002.

CASTANHO, Maria Eugênia. Sobre professores marcantes. In: CASTANHO, Sérgio; CASTANHO, Maria Eugênia (orgs). Temas e textos em metodologia do ensino superior. Campinas: Papirus, 2001.

COELHO, I. M. Formação do educador. São Paulo: Ed. UNESP, v. 1, 1996.

CORTESÃO, Luíza. Ser Professor: Um Ofício em Vias de Extinção? Reflexões sobre práticas educativas face à diversidade, no limiar do século XXI. Porto: Ed. Afrontamento, 2000.

CUNHA, Maria Isabel da. O lugar da formação do professor universitário: a condição profissional em questão. In: CUNHA, Maria Isabel da (Org.). Reflexões e Práticas em Pedagogia Universitária. Campinas, SP: Papirus (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico), 2007.

MASETTO, M. T. Competência pedagógica dos professores universitários. São Paulo: Summus, 2003.

MASETTO, Marcos. Docência Universitária: repensando a aula. In: TEODORO, António; VASCONCELOS, Maria Lucia (orgs.). Ensinar e aprender no ensino superior: por uma epistemologia da curiosidade na formação universitária. 2 ed. São Paulo: Cortez/Mackenzie, 2005.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma emergente. Campinas: Papirus, 1997.

MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. In: O paradigma educacional emergente. 8. ed. São Paulo: Papirus, 2002.

PACHANE, G.G. Teoria e Prática na Formação de Professores Universitários: elementos para discussão. Publicatio, UEPG, Ponta Grossa, vol. 13, n. 1, 2005.

PACHECO, J. A. e FLORES, M A. Formação e avaliação de professores. Porto: Porto Editora, 1995.

PÉREZ GÓMEZ, A. O pensamento prático do professor. In: NÓVOA, A. Os professores e sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

PIMENTA, S.G.; ANASTASIOU,L. Docência no ensino superior: São Paulo: Cortez, 2002.

ROSEMBERG, Dulcinéa S. O processo de formação continuada de professores universitários: do instituído ao instituinte. Niterói-RJ: Wak Editora, 2002.

TARDIF, M & LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2005.

WEBER, Silke. Profisionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 85, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.