LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA HUMANA E LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE PONTAL DO ARAGUAIA – MATO GROSSO

Jordana Belos dos Santos, Patrícia Feres de Marchi, André Luiz Fernandes da Silva

Resumo


A leishmaniose tegumentar americana (LTA) e a Leishmaniose Visceral (LV) humana são zoonoses, ambas com notificação compulsória. Objetivou-se avaliar as frequências de LTA e LV em Pontal do Araguaia – MT. Realizou-se um estudo epidemiológico, retrospectivo, com abordagem quantitativa, com investigação da frequência de indivíduos com LTA e LV no Sinan NET, no período de 2008 a 2014. Durante este período notificou-se 120 casos, destes 119 de LTA e 1 de LV. A maior prevalência dos casos ocorreu no sexo masculino na faixa etária dos 35 aos 44 anos, a cura foi registrada em 74,16% dos casos. Na LTA registrou-se 36,72% de casos de abandono, 0,84% de óbito por outra causa, 0,84% de transferência e ignorados ou em branco representaram 17,64 %.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, O. L. S.; SANTOS, J.B. Avanços no tratamento da leishmaniose tegumentar do novo mundo nos últimos dez anos: uma revisão sistemática da literatura. An. Bras. Dermatol, v.86, n.3, p. 497-506, 2011.

BRASIL. Ministério da saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. 2. Ed. Editora do Ministério da Saúde, Brasília, 2007 .

BRASIL. Ministério da saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. 2. Ed. atualizada, 1ª impressão Brasília, Editora do Ministério da Saúde, Brasília, 2010.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE –Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Ministério da Saúde, 1º ed. 5º reimpressão, Brasília 2014.

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO – PET- VIGILÂNCIA EPIDEMIOLOGICA UFSJ- Universidade Federal de São João Del – Rei. LEISHMANIOSE VISCERAL. Geoprocessamento de Informações, Divinópolis – MG, Ano II, n.2, abril de 2011.

CONSOLI, R. A. G. B.; OLIVEIRA, R. L. Principais Mosquitos de Importância Sanitária no BRASIL. Fiocruz, 1ª Reimpressão, Rio de janeiro, 1998. Disponível em:< http://cculi.fiocruz.br/docs/015.pdf>. Acesso em 19 de novembro de 2014.

CORTE, A. A.; NOZAWA, M. R.; FERREIRA , M. C.; PIGNATTI , M. G.; RANGEL, O.; LACERRA, S. S . Aspectos ecoepidemiológicos da leishmaniose tegumentar americana no Município de Campinas. Cad Saude Publ. v. 12, p. 465- 472, 1996

DESJEUX, P. Leishmaniasis: current situation and new perspectives. Comparative Immunology, Microbiology &Infectious Diseases, v.27, p.305-318, 2004.

DUARTE, J. L. S. Aspectos Epidemiológicos da Leishmaniose Visceral no Município de Rondonópolis, Mato Grosso, 2003-2008. 2010. 116f. Dissertação de Mestrado - Saúde Coletiva - Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, 2010.

ELKHOURY, A. N. S. M. ; ALVES, W. A; GOMES, M. L. S.; SENA, J. M.; LUNA, E. A. Visceral leishmaniasis in Brazil: trends and challenges. Cad Saúde Públ, v.24, n.12, p. 2941-2947, 2008.

FILHO, N. A. A.; COURA, J. R.; REIS, V. L. L. Leishmaniose tegumentar alviericana na Ilha Grande, Rio de Janeiro. III. Reservatórios silvestres e comensais. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. v.14, n.2, July/Dec, Uberaba, 1981.

FIOCRUZ. Leishmaniose. Biblioteca De Ciências Biomédicas - Rede De Bibliotecas Da Fiocruz. Disponível em:< http://www.fiocruz.br/bibcb/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=102&sid=106>. Acesso em Acesso em 19 de novembro de 2014.

FRANÇA, E. L.; MANDADORI, M. N.; FRANÇA, J. L.; BOTELHO, A . C. F.; FERRARI, C. K. B.; FRANÇA, A. C. H. Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil. Scientia Medica, v.19, n.3, p. 103-107, jul./set. Porto Alegre, 2009.

GONTIJO, B.; CARVALHO, M. L. R. Leishmaniose tegumentar americana. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. jan/fev, 2003.

HAYASHI, E. E. American Tegumentary Leishmaniasis in the state of Mato Grosso 1994 to 1999. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2004. IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. Censo 2010, Pontal do Araguaia–MT. Acesso em 20 de outubro de 2014.

LAINSON, R. The Neotropical Leishmania species: a brief historical review of their discovery, ecology and taxonomy. Traduzido por: DINIZ, A.M. Rev Pan-Amaz Saude, v.1 n.2, Ananindeua, June, 2010.

MISSAWA, N.A.; BORBA, J.F. Leishmaniose visceral no município de Várzea Grande, Estado de Mato Grosso, no período de 1998 a 2007. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.42, n.5, Uberaba, Sep./Oct, 2009.

MURBACK, N. D. N. et al. Leishmaniose tegumentar americana: estudo clínico, epidemiológico e laboratorial realizado no Hospital Universitário de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. An. Bras. Dermatol, v.86, n.1, p. 55-63, 2011.

NEGRÃO, G. N.; FERREIRA, M. E. M. C. Considerações sobre a dispersão da leishmaniose Tegumentar Americana nas Américas. Revista Percurso, v.1, n.1, p. 85-103, Maringá, 2009.

SILVA, A. E. P.; GURGEL, H. C. Leishmaniose tegumentar americana e suas relações sócio ambientais no município de Ubatuba-SP. Confins, Revista Franco - Brasileira de Geografia, n.13, 2011.

SINAN-NET. Sistema de Notificação de Agravos. Leishmaniose tegumentar americana e leishmaniose visceral de 2008 a 2013 em Barra do Garças –MT. Acesso em novembro de 2014.

TEODORO, U.; HUHL, J. B.; SANCHES, L. A. T. Frequência de flebotomíneos em localidades rurais do município de Prudentópolis, Estado do Paraná, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v.40, n.2, p. 169-177, 2011.

VIERA, V. R. Aspectos da Ecologia dos Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae) Em Área de Ocorrência De Leishmaniose Tegumentar, Município De Paraty, Orla Marítima do Estado do Rio De Janeiro, Brasil. Dissertação apresentada ao Instituto Oswaldo Cruz como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Biodiversidade e Saúde. Rio de Janeiro, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.