A POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO HOMEM E OS DESAFIOS DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAUDE

Elias Marcelino da Rocha, Alice Dorothy Ligeiro Medeiros, Kaique Saimon Lemes Farias Rodrigues, Jefferson Pereira Maciel Cruz, Marcelo Fermanian Catunda Siqueira, Elias Franco Neves Farias, Alisséia Guimarães Lemes

Resumo


A atuação do enfermeiro na política do homem se baseia na educação em saúde, por meio de ações educativas respeitando as características de sua população adscrita. Destaca-se vários fatores impeditivos: o preconceito, o machismo, a falta de tempo, crenças, valores culturais e impossibilidade de se ausentar do trabalho. Cabe ressaltar que estão associados também à falta de educação continuada para os profissionais de saúde, e a falta de estrutura física adequada para atender as particularidades desta população. Dessa forma, é imprescindível transpor barreiras políticas, socioeconômicas e culturais, para fortalecer e promover a implantação e implementação da Política Nacional de Atenção Integral à da Saúde do Homem no território nacional.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M.C.; ALMEIDA, O.S. A implantação da política nacional de atenção integral à saúde do homem no Brasil: um desafio para a saúde pública. Diálogos e Ciência, nº 30, junho de 2012.

ALBANO, B.R.; BASÍLIO, M.C.; NEVES, J.B. Desafios para a inclusão dos homens nos serviços de atenção primária à saúde. Revista Enfermagem Integrada – Ipatinga: Unileste-MG - V.3 - N.2 - Nov./Dez. 2010.

ALVARENGA, W.A. et al . Política de saúde do homem: perspectivas de enfermeiras para sua implementação. Revista brasileira de enfermagem., Brasília, v. 65, n. 6, Dez. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde departamento de ações programáticas estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (princípios e diretrizes). 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Mortalidade do adulto no Brasil: taxas de mortalidade segundo o sexo, as causas e as regiões, 2010.

COUTO, M. T. et al. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 14, n. 33, p. 257–270, jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2015.

DUARTE, S.J.H.; OLIVEIRA, J.R.de; SOUZA, R.R.de. A Política Saúde do Homem e sua operacionalização na Atenção Primária à Saúde. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, Vol.03, Nº. 01, Ano 2012 p. 520-530.

GOMES, R. et al. A atenção básica à saúde do homem sob a ótica do usuário: um estudo qualitativo em três serviços do Rio de Janeiro. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.11, Nov. 2011.

GOMES, R. et al . Sentidos atribuídos à política voltada para a Saúde do Homem. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.17, n.10, Out. 2012.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Censos Demográficos e Contagem Populacional para os anos intercensitários. Estimativas preliminares dos totais populacionais, estratificados por idade e sexo pelo MS/SE/Datasus, 2005.

MENDONÇA, V.S.; ANDRADE, A.N. A Política Nacional de Saúde do Homem: necessidade ou ilusão? Psicologia Política. Vol. 10. nº 20. pp. 215-226. jul. – dez. 2010.

SCHRAIBER, L.B.; GOMES, R.; COUTO, M.T. Homens e saúde na pauta da Saúde Coletiva. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.10, n. 1, p. 7-17, jan./mar. 2005.

SCHWARZ, E. et al. Política de saúde do homem. Revista de Saúde Pública, São Paulo , v. 46, supl. 1, p. 108-116, Dec. 2012.

SILVA, M.E.D.C. et al. Resistência do homem às ações de saúde: percepção de enfermeiras da estratégia saúde da família. Revista Interdisciplinar, Teresina, v.3, n.3, p.p.21-25, Jul/Ago/Set, 2010.

SILVA, P.A.S. et al. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma Unidade Básica de Saúde. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, Jul - Set. 2012.

SILVA, P.F.; WAISSMANN, W. Normatização, o Estado e a saúde: questões sobre a formalização do direito sanitário. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, Mar. 2005.

VIEIRA, K.L.D.et al . Atendimento da população masculina em unidade básica saúde da família: motivos para a (não) procura. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, Mar. 2013.

VIEIRA, L.C.S. et al. A política nacional de saúde do homem: uma reflexão sobre a questão de gênero. Enfermagem em Foco, 2011; 2(4):215-217.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.