AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ADULTOS E IDOSOS HIPERTENSOS ATENDIDOS EM UM PSF DE BARRA DO GARÇAS/MT

Kelismar Santos Nogueira, Tássia Cassimiro Vigato, Joana D´arc Dias Carvalho

Resumo


O trabalho objetivou identificar fatores que contribuem favoráveis e os que prejudicam a saúde da população hipertensa, bem como avaliar o estado nutricional, conhecer os hábitos alimentares a fim de propor estratégia melhor de saúde. Tratou-se de pacientes hipertensos cadastrados no PSF de Barra do Garças -MT, no grupo Hiperdia. A coleta foi realizada nas residências dos pacientes, constituiu na aplicação de um questionário e avaliação antropométrica. Grande parte dos participantes era do sexo feminino 50%, 100% faziam o uso diariamente de medicamento, e 55% não realizavam os cuidados alimentares, constatando-se que a maioria dos indivíduos não controlava a ingestão de sódio, alimentos gordurosos. Somente 35% dos entrevistados praticavam algum exercício físico. O cuidado alimentar adequado não estava sendo realizado e sugere-se o acompanhamento nutricional e efetivo por parte de profissional nutricionista nos PSF´s, para garantir o controle e prevenção de doenças em beneficio a uma melhor qualidade de vida a esta população.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN: Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de Saúde. Brasília, 2008.

BRAUNWALD, E. Atlas de doença cardiovascular. Porto Alegre: ArtMed. cap. 7, p.7, 1998.

CASTRO, M.E; ROLIM,M.O.R; MAURICIO,T.F. Prevenção da hipertensão e sua relação com o estilo de vida de trabalhadores. Acta Paul Enfermagem, n2, v18, p:184- 9, 2005.

COELHO, E.B; NOBRE, F. Recomendação prática para se evitar o abandono do.

tratamento anti-hipertensivo. Revista Brasileira de Hipertensão, n1,vol.13, p:51-54,

FORJAZ, C.L.M; RONDON, M.U.P.B; NEGRÃO,C.E; Efeitos hipotensores e simpatolíticos do exercício aeróbio na hipertensão arterial. Revista Brasileira de Hipertensão, n4, vol.12, p:245-250, 2005.

GUEDES, N.G; COSTA, F.B.C; MOREIRA, R.P; MOREIRA, T.F; CHAVES, E.S; ARAÚJO, T.L. Crises hipertensivas em portadores de hipertensão arterial em 24 tratamentos ambulatoriais. Revista Escolar de Enfermagem da USP, 2005.

GUS,M; MOREIRA,L.B; PIMENTEL,M; GLEISENER,A.L.M; MORAES,R.S;FUCHS, F.D. Associação entre Diferentes Indicadores de Obesidade e Prevalência de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, n2, v70, 1998.

GRAVINA, C. F; GRESPAN, S. M; BORGES, J. L. Tratamento não medicamentoso da

hipertensão no idoso. Revista Brasileira de Hipertensão, n.1, v.14, p.33-36, 2007.

LESSA, I. et al. Hipertensão Arterial na População Adulta de Salvador (BA) –.Brasil. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, n.6, v.87, p.747-756, 2006.

LIPP. M; ROCHA. J.C: Stress, hipertensão arterial e qualidade de vida. 2.ed. Campinas, SP: Papirus. Cap. 2, p.19 – 33, 1996.

MAHAN, L. K; ESCOTT-STUMP, M. Krause: Alimentos, nutrição e dietoterapia. 9.

ed. São Paulo: Rocca. cap. 24, p.570-581, 1998.

MESQUITA, et al. Análise Comparativa do Consumo de Medicamentos entre idosos. Interdisciplinar. Rev. Eletrônica da UNIVAR. n. 12, v02, p:121-127, 2014.

MOLINA, M.D.C.B; CUNHA, R.S; HERKENHOFF, L.F; MILL, J.G. Hipertensão e

consumo de sal. Revista Saúde Pública. n6, v37, p:743-50, 2003.

PESSUTO, J; CARVALHO.E.C .Fatores de risco em indivíduos com hipertensão arterial. Revista latino-americana de enfermagem. Ribeirão Preto, n1, v6, janeiro, 1998.

PIATI; FELICETTI, 2009.

SHILS, M.E et al. Tratado de nutrição moderna na saúde e na doença. 9.ed., Vol II:

Manole. cap. 76, p.1299-1307, 2003.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA: V diretrizes brasileiras de hipertensão arterial. Revista Brasileira Clinica de Terapia. São Paulo, 2006.

SANTOS, Z. M. S. A; LIMA, H. P. Tecnologia educativa em saúde na prevenção da hipertensão arterial em trabalhadores: análise das mudanças no estilo de vida. Texto Contexto de Enfermagem , n1, v17, p:90-7. Jan-Mar, 2008.

TUMA, R.C.F.B., COSTA, T. H. M.; SCHIMITZ, B. A. S. Avaliação antropométrica e dietética de pré-escolares em três creches de Brasília,DF. Rev. Bras.Saúde Matern. Infant. Recife, v.5, n.4, p.419-428, out./dez.2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.