ANÁLISE DE INDICADORES MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICIPIO DE BARRA DO GARÇAS-MT

Suiani Priscila Roewer, Marcus Vinicius Mariano Nascimento, Patrícia Gelli Feres de Marchi, Isabela Esteves Lima, Luciana Mendonça Duarte

Resumo


As analises microbiológicas servem como ferramenta para avaliação da qualidade da água principalmente para uso humano. Entre os parâmetros estão a analise de coliformes totais que devem se apresentar dentro dos estabelecidos pela legislação vigente assim são evitadas inúmeras enfermidades transmitidas por via do consumo de água.  O município de Barra do Garças cota conta com  estação de captação e tratamento da água, os índices de coliformes totais encontrados estão dentro dos padrões assim como as fontes de captação originárias do rio Garças e mina subterrânea Monjolo.


Texto completo:

PDF

Referências


Agencia Nacional de Águas- ANA. Disponível em http://www2.ana.gov.br/Paginas/imprensa/noticia.aspx?id_noticia=12365. Acesso em 23 de outubro de 2015.

ÁGUAS DE BARRA DO GARÇAS, Plano de amostragem 2014, Rio Garças e Mina Monjolo: Relatório Técnico. Barra do Garças, 2014.

ALBANO, R.C; SILVA, L.L; CASTRO, F.B.G. Análise de indicadores microbiológicos em amostras de água mineral natural. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba,V.1, Nº.9, 2012.

ALMEIDA, M. B. Avaliação da qualidade microbiológica da água e qualidade de vida: estudo de caso de Carretéis e arredores - Itabaianinha / Sergipe, 2004. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Sergipe, Núcleo de Pós-Graduação e Estudos do Semi.Árido, São Cristovão Sergipe,2004.

AMARAL, M. Análise microbiológica de caixas d’água de colégios estaduais de Foz do Iguaçu – Paraná. 2011. Dissertação de especialização Graduação em Ensino de Ciências, Modalidade de Ensino a Distância, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR – Campus Medianeira. Medianeira Paraná, 2011.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual prático de análise de água. 2ª ed. Rev. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2006.

COSWOSK, R.C. et al. Estudo da potabilidade da água para consumo humano na cidade de Colorado do Oeste. Revista Brasileira de Ciências da Amazônia, V.2, Nº 1, 2013.

FREITAS, M. B.; BRILHANTE, O. M. & ALMEIDA, L. M. Importância da análise de água para a saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumínio. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17(3) :651-660, mai-jun, 2001.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados do censo 2014. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=510180. Acesso em: 10 jan. 2014.

Ministério da Saúde. Portaria n.º 518, de 25 de março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativas ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 266, 26 mar.2004. Seção 1.

PRAMPERO, S. L ; PRAMPERO, A. C.C. M. Fluoretação na água de abastecimento do município de Barra do Garças – MT. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR, Nº.; 13Vol 1,2015.

RATTI, B. A. et al. Pesquisa de coliformes totais e fecais em amostras de água coletadas no bairro Zona Sete, na cidade de Maringá-PR. VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica. ISBN 978-85-8084-055-1, 2011.

REBOUÇAS, A. C. Água no Brasil: abundância, desperdício e escassez. Bahia Análise & Dados, v. 13, n. ESPECIAL, p. 341-345, Salvador, 2003.

SÁ, L. L. C. et al. Qualidade microbiológica da água para consumo humano em duas áreas contempladas com intervenções de saneamento – Belém do Pará, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde Nº ,3 Vol. 14, 2005

Vasconcellos, F.C. da S ; Iganci, J.R.V. ; Ribeiro, G.A. Qualidade microbiológica da água do rio São Lourenço, São Lourenço do Sul, Rio Grande do Sul. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v.73, n.2, p.177-181, abr./jun., 2006.

ZULPO, D. L. et al. Microbiological evalution of water from drinking-fountains of State University of Guarapuava, Paraná State, Brazil. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, V. 27, Nº. 1,jan./mar. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.