A INCLUSÃO DOS ASPECTOS CRONOBIOLÓGICOS NA EDUCAÇÃO

Edson Fredulin Scherer, Josemar Antônio Limberger, Carolina Caricel, Karine Simião Mendes, Kelly Tavares de Freitas, Roberta Roberta Lamounier Melo, Shyrley Pereira

Resumo


Atualmente a educação é fundamental para que o ser humano garanta sua existência, buscando a inclusão social e transformações na natureza. A cronobiologia é a ciência que estuda a organização temporal dos seres vivos. A metodologia do estudo foi baseada numa revisão bibliográfica realizada em artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais, redigidos nas línguas inglesa e portuguesa, foram incluídos sites de pesquisa como  PubMed, PsycINFO, Scielo, Bireme, etc. Para tanto foram usadas as seguintes palavras-chave, em diferentes combinações: cronobiologia, educação, ritmos biológicos e educação. Após leitura minuciosa dos resumos, foram selecionadas as referências mais importantes citadas. Os resultados e discussão enfatizam que a cronobiologia por abordar a dimensão temporal da matéria visa introduzir o tempo no estudo dos organismos. Além disso, os conhecimentos acumulados nessa área comprovam que os ritmos biológicos dos seres vivos são gerados por si próprios. Entretanto, a discussão desse tema no que diz respeito à cronobiologia e suas aplicações no aprendizado escolar com a sua inclusão é de fundamental importância para que esse conhecimento seja utilizado em benefício do aluno. Por isso, o estudo concluiu que a cronobiologia é necessária para os profissionais envolvidos na educação. Nesse sentido, os educadores devem estar cientes da importância dos fatores temporais como o sono-vigília, associado aos ritmos circadianos de cada aluno, para que este conhecimento seja inserido no desenvolvimento do aprendizado escolar.


Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, M. S. F. Inclusão social e municipalização. In: MANZINI, E. J. (Org.). Educação especial:temas atuais. Marília: UNESP/Marília. p.1-9. 2000.

ARAUJO, J. F.; MARQUES, N. Cronobiologia: uma multidisciplinaridade necessária. Margem, São Paulo, n.15, p. 95-112, 2002.

ARITAKE-OKADA, S.; UCHIYAMA, M.; SUZUKI, H.; TAGAYA, H.; KURIYAMA, K.; MATSUURA, M. Time estimation during sleep relates to the amount of slow wave sleep in humans. Neuroscience research. v.63, n.2, p.115-21. 2009.

BUIJS, R. M. The biological clock tunes the organs of the body: timing by hormones and the autonomic nervous system. Journal of Endocrinology, Bristol. v.177, n.1, p.17-26, 2003.

DUNLAP, J. C., LOROS, J. J.; DECOURSEY, P. J. Chronobiology: biological timekeeping. Sunderland, Mass. Sinauer Associates, 2004.

ESPINOSA-FERNANDEZ, L.; MIRO, E.; CANO, M.; BUELA-CASAL, G. Age-related changes and gender differences in time estimation. Acta. Psychol. (Amst) v.112, n.3, p.221-232. 2003.

LOCKLEY, S. W. et al. Alertness, mood and performance rhythm disturbances associated with circadian sleep disorders in the blind. Journal of Sleep Research, Oxford. v.17, n.2, p.207–216, 2008.

LOUSADA, F; MENNA-BARRETO, L. Relógio escolar e a aprendizagem. São Paulo. Editora do Instituto Isplan. 2004.

LOUZADA, F.; MENNA-BARRETO, L. Relógios Biológicos e aprendizagem. São Paulo, Edesplan. v.64, 2007.

LUI Z, F. M. R. A inclusão da criança com Síndrome de Down na rede regular de ensino: desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília. v.14, n.3, p.497-508, 2008.

MARQUES, N.; MENNA-BARRETO, L. Cronobiologia: princípios e aplicações. 3 ed. São Paulo: EDUSP, 2003.

MATHIAS, A.; SANCHEZ R.P; ANDRADE, M.M.M. Incentivar Hábitos de Sono Adequados: Um Desafio para os Educadores. Disponível em: http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2004/artigos/eixo10/incentivarhabitosdosono.pdf Acesso em 30 de março de 2015.

MOORE, R.Y. Fundamental Neuroscience. In: Zigmo nd, M. J. et al. (Org.). Circadian Timing.Fundamental Neuroscience, New York: Academic Press. p.1189-1206. 1999.

MORITA, T., FUKUI, T., MOROFUSHI, M.; TOKURA, H. Subjective time runs faster under the influence of bright rather than dim light conditions during the forenoon. Physiology & behavior. v.91, n.1, p.42-5. 2007.

MOURA, L. N.; SILVA, M. L. Fundamentos evolutivos da ritmicidade biológica. Disponível em:. Acesso em: 28 de março de 2015.

MUNIZ, C. Quando dia e noite se confundem. Instituto Ciência Hoje, 2010. Disponível em: Acesso em: 30 de março de 2015.

SAVIANI, D. Sobre a natureza e especificidade da educação. In: SAVIANI, D. (Org.). Pedagogia histórico: crítica da educação. São Paulo: Autores Associados. p.11-22. 2003.

SELMAOUI, B.; TOUITOU, Y. Reproducibility of the circadian rhythms of serum cortisol and melatonin in healthy subjects: a study of three different 24-h cycles over six weeks. Life Sciences,Amsterdan. v.14, n.73, p.3339-3349, 2003.

SQUARCINI, C. F. R. Ritmos circadianos da força em atletas cegos. 2007. 85f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Departamento de Psicobiologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2007.

SQUARCINI, C.F.R.; ESTEVES, A.M. Cronobiologia e Inclusão Educacional de Pessoas Cegas: do Biológico ao Social. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília. v.19, n.4, p.519-530, 2013.

SQUARCINI, C. F. R. Free-running circadian rhythms of muscle strength, reaction time, and body temperature in totally blind people. European Journal of Applied Physiology, Berlin. v.113, n.1, 2013.

STILLER, J. W.; POSTOLACHE, T. T. Sleep-wake and other biological rhythms: functional neuroanatomy. Clinics in Sports Medicine, Philadelphia. v.2, n.24, p.205-235, 2005.

WATERHOUSE, J. The circadian rhythm of core temperature: origin and some implications for exercise performance. Chronobiology international, London, v.22, n.2, p.207-225, 2005.

ZHAO, Z. Circadian rhythm characteristics of serum cortisol and dehyoepiandrosterone sulfate in healthy Chinese men aged 30 to 60


Apontamentos

  • Não há apontamentos.